(11) 3168-6408

Entre em contato com a gente

A neurociência prova que a música estimula a atividade cerebral em qualquer idade

Uma pessoa mais velha continua tendo a capacidade de regenerar suas células cerebrais e a música pode ser um bom estímulo para a atividade cerebral

Escrito por Stannah em 07-01-2021

Desde que a Dra. Marian Diamond provou, há mais de 50 anos, que o cérebro humano tem a capacidade de se regenerar, outras pesquisas mais recentes nada mais fizeram do que reiterar essa descoberta. Isso resultou, nas últimas décadas, em um entendimento mais profundo por parte do público sobre a importância de manter nossos cérebros engajados e estimulados para desacelerar o declínio cognitivo. Uma pesquisa realizada em abril de 2018 pela Universidade de Columbia e pelo Instituto Psiquiátrico do Estado de Nova York concluiu que os adultos mais velhos efetivamente retêm a capacidade de regenerar suas células cerebrais, como ocorre nos jovens. Em outras palavras, com os estímulos corretos, é possível retardar o envelhecimento do cérebro. Isso realmente parece encorajador!

“Descobrimos que uma pessoa idosa tem a mesma capacidade de produzir milhares de novos neurônios do hipocampo a partir de células-tronco, como uma pessoa jovem” (…) “Também descobrimos que o volume do hipocampo é semelhante (estrutura do cérebro usada para emoção e cognição) em todas as idades. ” Dra. Maura Boldrini

No entanto, também é verdade que indivíduos mais velhos têm menos capacidade de formar novos vasos sanguíneos em suas estruturas cerebrais. Por isso, a partir de certa idade, é ainda mais importante combinar o exercício mental com o exercício físico moderado, já que o idoso precisa estimular a vascularização do cérebro, para garantir um suprimento adequado de sangue ao cérebro. Esta é a sinergia ideal para o cérebro conservar efetivamente sua capacidade regenerativa. E a verdade é que existem atividades que podem ajudá-lo a conseguir isso. Hoje vamos falar sobre como algo tão agradável como ouvir música pode ajudá-lo a manter seu cérebro em sintonia.

Os benefícios de simplesmente ouvir a música que você gosta

Por falar em manter o cérebro estimulado à medida que envelhecemos, alguns estudos mostram que a música ativa os dois hemisférios do cérebro, o que leva a uma otimização da atividade cerebral.

A música ajuda você a se concentrar

Com todas as distrações que o mundo digital traz para nossas vidas, não é fácil manter o foco e relaxar. Felizmente, você pode criar algumas rotinas para ajudá-lo a se concentrar. Uma das maneiras mais fáceis e divertidas de fazer isso é simplesmente ouvir a música que você gosta com mais frequência. O motivo pelo qual a música ajuda você a se concentrar é que ela estimula os neurotransmissores que produzem a dopamina. A dopamina tem um efeito direto sobre:

  • Estado de ânimo
  • Produtividade
  • Desempenho
  • Criatividade

A dopamina é conhecida como a “molécula de motivação” e está diretamente relacionada ao sistema de prazer-recompensa. É como quando comemos chocolate ou quando inesperadamente ouvimos nossa música favorita no rádio: isso te deixa feliz. Mas também ajuda você a ser mais produtivo. Isso é comprovado pelo estudo do Dr. Lesiuk, que analisa como a música melhora o desempenho dos trabalhadores em seu local de trabalho. Quem escuta música realiza suas tarefas com mais rapidez e criatividade do que quem não escuta. Tudo tem a ver com a capacidade da música de reduzir os níveis de estresse e com a capacidade que mencionamos antes de ativar os quatro hemisférios do cérebro.

As preferências pessoais são outro elemento importante na verificação da capacidade da música de estimular a atividade cerebral. Ou seja, se você ouvir a música de que gosta, ela também ativará a parte do cérebro que controla as emoções. Isso evoca sentimentos positivos e leva ao aumento da produtividade. No entanto, o estudo descobriu que as pessoas mais velhas ouvem menos música. Mais um motivo para chamar a atenção para a importância de ouvir seus álbuns favoritos com mais frequência e, assim, verificar o que Platão descobriu há mais de 2.000 anos:

“A música dá alma ao universo, asas à mente, voos à imaginação, consolo à tristeza e vida e alegria a todas as coisas.”

Ouvir música pode ajudar a aliviar a dor

Você sabia que ouvir suas músicas favoritas no caminho para o trabalho ou em casa pode ser mais do que uma distração? Uma equipe de especialistas suecos descobriu que ouvir músicas que você gosta ajuda a controlar os níveis de cortisol no sangue. O cortisol é o hormônio do estresse. Assim, indiretamente, a música também pode servir de analgésico, pois não só o distrai da dor, mas também o ajuda a evocar emoções positivas. Por esse motivo, ouvir música é muito útil para pessoas com doenças que causam dores crônicas, como a fibromialgia. Isso não é novidade, pois os mecanismos por trás do efeito analgésico da música foram estudados desde a década de 1950. Mas, mesmo assim, não há explicação certa para saber se a música realmente ajuda a reduzir a dor ou simplesmente nos distrai dessa dor.

Música clássica – o efeito Mozart

Vimos que a música ajuda a manter o foco, mas alguns gêneros musicais são considerados mais eficazes do que outros. Uma pesquisa da Universidade de Helsinque mostrou que a música clássica é mais eficaz para estimular a função cerebral. Mais precisamente, ouvir música clássica estimula os neurônios responsáveis ​​pela produção de dopamina e também os neurônios responsáveis ​​pela regulação da neurodegeneração. Assim, se gostamos de ouvir compositores como Bach, Mozart ou Beethoven, entre outros, teremos o máximo efeito que a música pode proporcionar se quisermos concentrar-nos no estudo ou no trabalho, independentemente da idade. Outro estudo entre as Universidades de Kyoto e Harvard analisou o Efeito Mozart. Eles concluíram que, entre crianças de 8 a 9 anos e pessoas de 65 a 75 anos, ambas as faixas etárias tiveram um desempenho melhor ao ouvir Mozart do que ao ouvir música dissonante ou caótica, ou quando não ouviu nenhuma música. Mais uma vez, verificou-se que a função cerebral de uma pessoa idosa continua a apresentar a mesma capacidade de regeneração dos jovens – especialmente ao ouvir música clássica.

A música ajuda a recuperar memórias em pessoas com demência e Alzheimer

O neurologista Oliver Sacks, mais conhecido pelo documentário “Alive Inside”, afirma que “a música evoca emoções, e as emoções podem devolver memórias … [a música] devolve o sentido da vida quando nada mais pode ser feito. ” Ao associar a música a cada atividade do dia a dia das pessoas com demência e Alzheimer, verificou-se que eles desenvolvem um senso de ritmo que os ajuda a recuperar a memória associada a essa atividade, melhorando gradativamente sua capacidade cognitiva. Aqui está um vídeo muito emocionante sobre essa experiência:

[vídeo]

“A música está impressa no cérebro mais do que qualquer outra experiência humana”, diz Oliver Sacks

Aprendizagem musical durante a infância e os benefícios da plasticidade cerebral a longo prazo

Em agosto de 2012, um estudo liderado pela Dra. Nina Kraus concluiu que, adultos mais velhos que tiveram treinamento musical quando crianças, tinham uma capacidade de resposta mais rápida à fala oral do que pessoas que nunca tocaram um instrumento – mesmo depois dos 40 anos.

À medida que envelhecemos, ocorrem mudanças no cérebro que comprometem nossa capacidade de ouvir. Os adultos mais velhos tendem a ser mais lentos para responder a sons que mudam rapidamente, o que pode afetar a capacidade de interpretar a fala. No entanto, músicos que continuam a tocar seus instrumentos ao longo da vida não apresentam esse declínio cognitivo. O estudo também descobriu que o aprendizado musical na infância tem um efeito duradouro na maneira como nosso cérebro processa os sons, mesmo na velhice.

Aprender a tocar um instrumento musical ajuda a melhorar o fluxo sanguíneo para o cérebro

Um estudo realizado por Amy Spray e G. Meyer, do Departamento de Ciências Psicológicas da Universidade de Liverpool, em maio de 2014, concluiu que aprender a tocar um instrumento musical, embora por um curto período de tempo, ajuda a aumentar o fluxo sanguíneo para o hemisfério esquerdo do cérebro. O estudo também constatou que os benefícios são iguais para crianças e idosos, e que os efeitos positivos da estimulação dos neurônios se manifestam em longo prazo. Por esse motivo, tocar um instrumento mostra-se muito eficaz não apenas em programas de reabilitação de idosos acometidos por algum tipo de disfunção cognitiva, mas principalmente na prevenção e desaceleração dessa deterioração.

Música e linguagem compartilham as mesmas vias cerebrais

Muitos afirmam que a música é uma linguagem universal, e algumas pesquisas sugerem que as áreas do cérebro responsáveis ​​pelo processamento da música e da linguagem são as mesmas. Em um comunicado à imprensa, a Dra. Amy Spray explica essa descoberta:

“É fascinante observar a semelhança nas marcas de irrigação sanguínea com apenas meia hora ouvindo música clássica. Isso sugere que os padrões cerebrais relacionados foram o resultado da ativação de áreas que se acredita serem responsáveis ​​pelo processamento da linguagem. Assim, podemos supor que o treinamento musical resulta em uma rápida mudança nos mecanismos cognitivos usados ​​para a percepção musical, que são os mesmos mecanismos usados ​​pela linguagem.”

À medida que nos tornamos indivíduos cada vez mais informados, reconhecemos os efeitos positivos da música em nosso corpo e mente, então não há desculpa para não dar ao nosso cérebro o tom que ele merece.

 

Fontes: